FacebookPixel
Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
Voltar \ Multifamily: a tendência europeia que vem transformar Portugal

Multifamily: a tendência europeia que vem transformar Portugal

27 out 2020
Multifamily: a tendência europeia que vem transformar Portugal
Imobiliário
Embora o conceito multifamily seja uma novidade em Portugal, a verdade é que já faz sucesso em toda a Europa. E promete também ser um grande sucesso cá, ao ponto dos investidores já terem preparado um lançamento de 3000 casas para que possam ser arrendadas a partir de 2023.

Agora vocês devem estar a questionar-se: mas em que é que consiste o conceito multifamily? Pois bem, nós explicamos! Consiste num complexo de apartamentos ou casas, em que todas as unidades são pertencentes a um género de holding (dono), sendo que são sempre destinadas a arrendamento.

Existem muitas razões que fundamentam a ideia de que este tipo de projeto vingará em Portugal, como por exemplo: a procura de alojamento por parte de “millennials”, classe média e média baixa, estudantes ou profissionais deslocados, que não têm capacidades ou necessidade de comprar uma casa. Mas, também, pelo facto de, com base no mais recente estudo da JLL, "Multifamily – A market on the rise", Portugal ser um dos países europeus que possui maior potencial de expansão deste modelo de construção.

Porém, embora a procura por parte dos portugueses seja notória, a verdade é que ainda não existe efetivamente este tipo de construção cá. Para resolver esta lacuna na parte da oferta, os investidores preparam-se para a construção de 3000 casas, para que também seja possível avaliar a reação dos portugueses a este novo conceito.

De acordo com o estudo da JLL, as razões pelas quais os investidores escolheram Portugal, como um dos países a investir, foram:

  • 1. Preços de aquisição muito competitivos;
     
  • 2. O retorno do investimento ser, em média, mais elevado em Portugal do que em muitos dos restantes países europeus. Até durante períodos mais instáveis como os de crise, os retornos são menos voláteis quando comparados com outros sectores imobiliários;
     
  • 3. Factores sociodemográficos favoráveis para a sua estabilidade política, social e económica;
  • 4. Destino mais credível, com melhor reputação, criando maior confiança nos investidores.
     


Por agora resta-nos esperar pela construção efetiva desde conceito em Portugal e só depois poderemos então avaliar o feedback dos portugueses relativamente ao mesmo!

 

Fonte: Idealista

 

 
Veja Também