FacebookPixel
Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
Voltar \ O preço das casas portuguesas desceu este ano, mas será por pouco tempo

O preço das casas portuguesas desceu este ano, mas será por pouco tempo

13 nov 2020
O preço das casas portuguesas desceu este ano, mas será por pouco tempo
A agência de notação financeira S&P prevê que a habitação se torne mais cara na maioria dos países europeus, contudo, Espanha, Portugal e Irlanda parecem ser exceção à regra, uma vez que estes irão registar quebras em vez de aumentos.

De acordo com o relatório divulgado pela agência acima referida, os preços das casas, em território português, registaram uma pequena descida de 0,6% este ano. Todavia, essa descida durará pouco tempo, uma vez que a agência prevê também novas subidas em 2021, e nos anos seguintes.

A nível global, e apesar de todos os problemas financeiros causados pela covid-19, a agência S&P estima que os imóveis residenciais se tornem mais caros em praticamente todos os países europeus, ainda no ano presente, com as maiores subidas alguma vez registadas no mercado imobiliário, prevendo subidas de 6,1% na Holanda, 4,6% na Alemanha, e, ainda, de 3% na Suécia.

No relatório, também é referido que “Os mercados da habitação em Portugal e em Espanha têm sido mais afetados negativamente pela situação atual e, juntamente com a Irlanda, são os únicos países onde prevemos uma queda dos preços da habitação este ano”, lê-se no relatório. Sendo que, na Irlanda a descida de preço fixar-se-á nos 1,6%, e, na Espanha, o preço deverá descer até 1,4%.

Por último, o relatório da agência remata ainda, defendendo que “Refletindo a estrutura das economias, os mercados em Portugal e Espanha estão também mais orientados para a indústria do turismo do que noutros locais. A muito baixa afluência de turistas, neste ano, e a alta incerteza sobre a situação da saúde, no futuro, afetaram negativamente a procura e os preços das casas. Na Irlanda, os preços dos imóveis já haviam caído antes da crise, o que agora coloca ainda maior pressão em baixa”.


Fonte da notícia: Idealista

 
Veja Também